JUNTE-SE A MAIS DE 50.000 PESSOAS

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

[Infográfico] O que acontece quando você diz uma mentira?

pinoquio
[Infográfico] O que acontece quando você diz uma mentira?
4.4 (88.89%) 18 votos

Se você falou com alguém por mais de 10 minutos hoje, as chances são grandes de que você mentiu sobre alguma coisa. Se essa pessoa for sua mãe, as suas chances de mentir aumentam dramaticamente.

De pequenas fibes a enormes contos de decepção de Hollywood, a mentira é uma parte enorme de nossas vidas. Esta infografia do Full Tilt Poker examina exatamente como mentimos – e como nos sentimos sobre isso depois.

Por exemplo, no último mês, 15% das pessoas admitiram que mentem no local de trabalho. Destes, 59% não se sentiram culpados por isso (“A impressora estragou? Não tive nada a ver com isso”). A expectativa cultural de mentir varia dependendo do seu trabalho, também: 94% das pessoas esperam que os políticos mintam no seu trabalho, em oposição a 27% para os médicos.

Quando mentimos, estimulamos três partes principais do nosso cérebro. A mentira ativa o lobo frontal por seu papel no processo de supressão da verdade, o sistema límbico devido à ansiedade que vem com o engano e ao lobo temporal porque é responsável por recuperar memórias e criar imagens mentais. É como uma equipe sofisticada trabalhando dentro de sua cabeça. Muito reconfortante, não?

Mas também é um grande esforço…

Mentir exige muito esforço. Quando você diz a verdade, simplesmente se lembra do que acontece e reproduz. Quando você mente, você tem que considerar o que você está tentando esconder, descobrir uma versão convincente do oposto, dar um desempenho convincente para vender essa mentira, e depois lembrá-la pelo resto da eternidade para que você nunca seja pego. Mesmo que você esteja fingindo que gosta do bolo de frutas nojento da sua avó, isso é muita pressão.

Além disso, você aumenta um pouco toda vez que você mente. Uma pessoa média mente, omite ou aumenta, de 10 a 200 vezes por dia ( sim, todos vocês, mesmo se vocês não percebam). Nós lidamos com isso de forma constante e notável mas isso é muito fácil de fazer quando temos dificuldade em ignorar as consequências.

Sinais de que alguém está mentindo

Desviar o olhar – Quando a pessoa mente, geralmente, tem dificuldade em manter o contato ocular com naturalidade.

LEIA:  Doenças psicossomáticas: mitos e verdades sobre o assunto

Olhar muito fixamente – Indivíduos que têm conhecimento de que o desvio do olhar é visto como sinal de mentira, podem fixar de forma exagerada os “olhos nos olhos” da outra pessoa. Pessoas verdadeiras tentam transmitir a verdade, as mentirosas precisam convencer o outro a acreditar na história criada.

Piscar – Mentirosos tendem a dar piscadas mais longa. Como efeito inconsciente, o cérebro em uma atitude de recusa ao que a pessoa está dizendo, provoca estas piscadas em que os olhos permanecem fechados por mais tempo do que o habitual.

Voz – O tom da voz perde a congruência, a voz não fica tão firme, pode ficar trêmula, cortada e sem fluidez. O tom de voz também pode ficar baixo e a fala ser projetada para dentro.

Mãos – Quando o organismo entra em estado de alerta, por nervoso ou ansiedade, a temperatura periférica tende a cair. Por isso, quando uma pessoa está mentindo pode ficar com as mãos e pés gelados. Além disso, mãos trêmulas e agitadas também são indicadores da mentira.

Pele – O nervosismo causado pelo ato de mentir pode alterar a cor e aparência da pele. A pessoa pode ficar mais vermelha ou mais pálida. A sudorese repentina é outra característica da situação.

Fala – Quem está mentindo dá mais rodeios, muitas justificativas, fala demais. Quando alguém, que não tem o costume de ser prolixo, começa a demorar demais para chegar ao objetivo da conversa, existe chance de a história ser uma grande mentira.

Pausas – A conversa está fluindo, de repente, um assunto faz a pessoa que está falando iniciar uma série de pausas na fala, esses intervalos podem indicar que o cérebro está criando as próximas informações.

Mãos nos bolsos – As mãos nos bolsos é um sinal de que a pessoa está escondendo algo, de que está fechada a dar ou receber informações. As palmas das mãos abertas e viradas para a pessoa com quem se fala já indicam um sentimento muito mais tranquilo e confortável em relação ao assunto da conversa.

Olhar para o lado esquerdo – Para pessoas destras, o lado esquerdo é o da criação, portanto, quando uma pessoa é indagada e move os olhos para a esquerda, pode estar com a intenção de criar uma resposta.

Olhar para o lado direito – Já olhar para o lado direito não é indício de mentira. O lado direito é o da memória, por isso, quando uma pessoa olha para a direita antes de falar, significa que está buscando informações na memória.

LEIA:  Ejaculação precoce: quais os melhores tratamentos?

Saliva – Quando o corpo entra em alerta, por uma situação de estresse – que se aplica durante um relato mentiroso – o corpo para de produzir saliva e a pessoa começa a “engolir seco”. Isso varia de acordo com o nervosismo e tensão do mentiroso durante a fala.

Coceiras – Outro sintoma da mentira é a coceira. O cérebro recusa a história falada e provoca estímulos que podem levar a mão à boca, ouvidos e cabeça. “É como se o cérebro transmitisse ‘eu não quero falar isso’, então a mão vai à boca; ‘eu não quero ouvir isso’, a mão passa pela orelha; ou ‘eu não concordo com isso’, e a pessoa coça a cabeça”.

Face – A estratégia de análise da face é bastante usada para identificar mentirosos. A fala e feição devem estar congruentes, quando isso não ocorre, existe algo errado. Uma pessoa que conta um evento como ‘muito legal’ não pode estar com uma face de desprezo ou tristeza. Se estiver, significa que o que ela está falando talvez não seja verdade.

Seu cérebro e as Mentiras

A contagem dos minutos

1 Minuto

No momento em que você mente, o estresse de formular uma história faz com que seu sistema nervoso libere cortisol em seu cérebro. Se a mentira é enorme, você pode até experimentar uma descarga de adrenalina, seu batimento cardíaco acelera, suas pupilas se dilatam e você começa a suar. Seu cérebro reconhece que sua mentira pode tê-lo colocado em perigo, então a resposta de luta ou fuga entra em ação à medida que você se prepara para se defender.

5 Minutos

Depois de alguns minutos, seu cérebro tem que acompanhar o que você sabe e o que você disse para a outra pessoa. E isso é muito trabalhoso – especialmente para a sua memória de trabalho, que está envolvida na tomada de decisões e na solução de problemas. Como resultado desse aumento da carga de trabalho, a capacidade do cérebro de tomar decisões inteligentes é prejudicada. Pode ser por isso que alguns mentirosos compõem uma primeira mentira pequena com inverdades maiores: Seus cérebros estão lutando para descobrir os efeitos de sua decepção, de modo que podem ignorar alternativas mais simples e mais inteligentes à mentira.

10 Minutos

Com mais tempo, você pode ficar com raiva, especialmente com a pessoa que você mentiu. Você ataca para desviar o foco de sua desonestidade para outra coisa (a curiosidade do seu questionador, talvez) – pense em adolescentes batendo em portas ou gritando quando são pegos. Os adultos aprendem a lidar melhor com isso, mas continuam ofensivos. Porque o seu cérebro reconhece que existem alternativas para o seu conto de altura (a verdade, por exemplo), você também pode se sentir compelido a explicar suas ações.

LEIA:  Conheça Os Tipos De Fobias Mais Comuns No Mundo e Como Se Livrar Delas

30 Minutos

Os hormônios do estresse se dissiparam e você pode se sentir preocupado. Para combater esses sentimentos, você pode se tornar muito apologético ou doce para a pessoa que você enganou. Por outro lado, você pode demonizar essa pessoa (ou pessoas) para se sentir superior, o seu cérebro tentando justificar sua mentira dizendo a si mesmo que a pessoa para quem você mentiu não merecia a verdade.

Uma hora

Você descarta a realidade 24 horas depois, e está focado em “viver a mentira”. Com o tempo, você pode até perder a noção da verdade. Mas para pessoas desacostumadas a mentir, seu cérebro se apega a sentimentos negativos residuais sobre a desonestidade. Você também pode sentir algo chamado afeto negativo porque vê-la lembra-lhe o seu engano, você evitá-la ou agir friamente. Estamos preparados para evitar situações ou pessoas que nos fazem sentir mal sobre nós mesmos.

Como se prevenir de dizer mentiras constantes

Então, o que podemos fazer para aumentar a honestidade em nós mesmos e nos outros? O economista comportamental Dan Ariely, co-autor do artigo de Garrett, tem algumas maneiras apoiadas pela pesquisa para encorajar a veracidade: evitar conflitos de interesse, dizer não a regras “difusas” que estão abertas à interpretação (talvez assinando um acordo de ética antes do oportunidade de trapacear) e lembre-se de seus valores.

Em um experimento anterior, Ariely pediu aos participantes que anotassem o máximo de dez mandamentos que pudessem lembrar antes de receberem a oportunidade de trapacear, o que resultou em níveis significativamente mais altos de honestidade nesse grupo em comparação com o controle.

E talvez mais uma sugestão: não se coloque em uma situação lucrativa (ou não coloque outras pessoas em um processo em que podem trapacear) em que a desonestidade é incluída. Escolher entre ser honesto e manter seus empregos, é muito ruim também! Você acha que é forte o suficiente para resistir à tentação, mas na verdade está se preparando para o fracasso.

Dê uma olhada nesse infográfico para ver mais fatos e números sobre mentir no trabalho, na escola e na mesa de poker, todos tirados de revistas e pesquisas de psicologia. Embora nunca possamos parar de mentir, a maneira como estamos fazendo isso certamente está mudando.

Esse texto representa um material didático que tem como único objetivo levar informação a possíveis formadores de opinião e responsáveis pela saúde mental e física das pessoas. Comportamentos prejudiciais como esse são assuntos de saúde pública e devem ser tratados como tal, com a seriedade necessária para que consigam ser identificados por pessoas capacitadas. Se você está precisando de ajuda ou se conhece alguém que queira ajudar, procure um profissional qualificado em sua região. Em caso de urgência e risco de vida, o Centro de Valorização da Vida (CVV) fornece atendimentos rápidos pelo site www.cvv.org.br e telefone, discando 141. Buscar ajuda é sempre a melhor opção.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

PRÓXIMOS

setembro 2018

29set(set 29)9:00 am30(set 30)8:00 pmHipnose Clínica & Regressãoem São Paulo9:00 am - 8:00 pm (30) Professor:Guilherme Alves

outubro 2018

12out(out 12)9:00 am14(out 14)6:00 pmHipnose Não Verbal com Giancarlo Russoem São Paulo9:00 am - 6:00 pm (14)

20out(out 20)9:52 pm21(out 21)9:52 pmHipnose Clínica & Regressivaem Belo Horizonte9:52 pm - 9:52 pm (21) Professor:Guilherme Alves

novembro 2018

10nov(nov 10)9:00 am11(nov 11)6:00 pmHipnose Neurossensorialem São Paulo9:00 am - 6:00 pm (11)

dezembro 2018

08dez(dez 8)9:00 am09(dez 9)8:00 pmHipnose Clínica & Regressãoem Rio de Janeiro9:00 am - 8:00 pm (9) Professor:Guilherme Alves

15dez(dez 15)9:00 am16(dez 16)8:00 pmHipnose Clínica & Regressãoem Brasília9:00 am - 8:00 pm (16) Professor:Guilherme Alves

últimos

JUNTE-SE A MAIS DE 50.000 PESSOAS

ENTRE PARA NOSSA LISTA

e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Feito com por Let’sRocket

X