JUNTE-SE A MAIS DE 50.000 PESSOAS

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Como Hipnotizar Alguém

Psychiatrist holding a tablet and interviewing her lying patient during a therapy session
Como Hipnotizar Alguém
4.4 (88.57%) 7 votos

Há muitas formas de hipnotizar alguém. O conceito de hipnose nada mais é do que uma atenção focada em alguma coisa. Então, você que está hipnotizado por este texto também é hipnotizado pela tv. Ou quando lê um livro. E se todos esses objetos têm o poder de concentrar sua atenção, eles se tornam objetos de indução ao transe.

Se você quer aprender a ser esse ponto de foco e com isso causar reações nas pessoas, você precisa saber como hipnotizar alguém. Nesse texto vamos explicar alguns pontos sobre o processo de hipnose e dar passo-a-passo para hipnotizar.

  1. Preparar alguém para a Hipnose

Esse passo é o que normalmente se chama de pré-talk. Ele consiste em uma conversa prévia à hipnose. O principal papel dele é criar a expectativa de ser hipnotizado e quebrar qualquer tipo de resistência sobre hipnose que essa pessoa possa ter. O pré-talk se resume em fortalecer o loop hipnótico, teoria revolucionária criada por James Tripp. Todos os seus passos como hipnólogo a partir de agora precisam seguir esse processo. Ele é crucial para o sucesso da hipnose como um todo.

O loop hipnótico

O loop hipnótico entende que para a hipnose acontecer, ela  deve partir de um dos 4 itens abaixo:

 

  • Fisiologia: Quando a pessoa já participou de algum processo que permitiu a experiência do transe (quando não, é a partir daqui que se começa);
  • Experiência: O que da fisiologia dela foi alterado por esse transe? Como ela se sentiu e o que a imaginação dela conseguiu fazer?
  • Imaginação: A potência da mente dela no dia a dia, comumente decifrada com as perguntas “Você acredita no poder da imaginação?” ou “Você acha que a mente da gente tem capacidade de alterar a realidade?”
  • Crença: O acreditar no processo da hipnose qé ue gera outras fisiologias e outras experiências (esse item também é um bom começo para pessoas que nunca foram hipnotizadas. Você pode alimentar ele quando a pessoa diz que acredita muito em hipnose).

A tendência é que esses passos gerem um ciclo que se alimenta automaticamente através da expectativa. Isso quer dizer que você precisa identificar o maior número de lembranças sobre hipnose que a pessoa tem, para saber qual item do loop precisa ser mais trabalhado. Essa forma de identificar a expectativa pode acontecer de diversas formas. Se alguém vai a uma sessão de hipnoterapia, ela tem uma expectativa de ser curada, logo a crença dela no processo está ativa. Também, há um aumento de hipnose nas pessoas que já viram alguém em quem elas confiam ser hipnotizado, porque existe um processo de crença e de experiência.

LEIA:  Sexologia: O que é? Como um Sexólogo pode te ajudar?

A inserção no loop hipnótico é natural

A existência do loop faz com que as vezes nem seja necessário que o pré-talk aconteça, porque para existir hipnose basta a expectativa. Em alguns lugares, o processo de pré-talk é substituído por um ritual ou elementos do local. Neles conseguimos ver a hipnose acontecendo sem que a palavra “hipnose” seja citada.

Passo 1: A escolha da pessoa certa

É claro que se você for fazer hipnose em uma festa ou barzinho com seus amigos, esse “clima de concentração geral” não acontecerá. Por isso o pré-talk é tão importante, e o primeiro passo dele é criar a sua autoridade. Estabelecer essa expectativa sobre o processo hipnótico é muito mais fácil quando as pessoas já te vêm como “o hipnólogo”. A crença se ativa, as pessoas acreditam em você. Por outro lado, se você for a um reunião de família e eles caçoam você por causa da hipnose, existe uma barreira clara no item crença na sua pessoa. Isso te impossibilita de criar expectativa.

Desmistificando

A maioria das pessoas têm preconceito com a hipnose porque acreditam ser uma forma de controle da mente. E essa crença é reforçada desde criança por desenhos animados, filmes e histórias fantasiosas, sendo um dos motivos pelos quais as pessoas não se permitem participar. Então tente sempre que puder falar com muita simplicidade sobre o processo, afinal as pessoas realmente acreditam em controle mental e ninguém gosta de ser manipulado.

O Hipnose Institute já fez um post sobre os principais mitos da hipnose: Você pode entender um pouco mais sobre eles aqui!

Perguntas e falas comuns em pré-talks

A pergunta que desencadeia tudo: Você sabe o que é hipnose?

Esse é o momento em que a pessoa provavelmente vai dar uma explicação cheia de mitos ou muito complexa. Seu papel aqui é falar sobre a simplicidade do processo e a autonomia do sujeito durante ele. Aproveite esse momento para eliminar o pior dos mitos: Aquele que acredita que hipnose é uma batalha de mentes. A melhor forma de combater isso, é falando sobre exemplos de transe natural. Fale sobre como é comum estar tão concentrado em algo que nem ouve alguém falando com você. Ou o quanto é comum a sua mente viajar para problemas quando você faz coisas rotineiras como lavar pratos ou tomar banho. Quanto mais identificação você conseguir criar, mais segura a pessoa se sentirá.

Diante disso é importante ressaltar:

  1. Ninguém fica preso em hipnose;
  2. Você não vai perder o controle em momento algum;
  3. Você não vai “esquecer de tudo” depois disso;

Passo 2: Induções Simples para Treinamento

Depois de estabelecer uma comunicação amigável e sem mitos com a hipnose,  é hora de você testar se a pessoa está com o nível de expectativa alto o suficiente para ser hipnotizada com sugestões simples. Existem muitas formas de fazer isso. O ideal é que esses testes sejam apresentados como exercícios de concentração, sem que haja um resultado esperado para eles. Isso evita que o hipnotizador ou o voluntário sintam qualquer tipo de fracasso caso “dê errado”.

Estes testes fornecerão informações importantes. Em primeiro lugar, eles dão a oportunidade de observar se a pessoa segue as suas sugestões. Observe a velocidade com que ela responde a passos muito simples, como afastar os pés ou fechar os olhos. Uma pessoa que não segue as suas sugestões de bom grado é um mau voluntário. Em seguida, eles identificam a pessoa sobre os primeiros sinais de transe. E não se esqueça, eles também oferecem à pessoa a oportunidade de experimentar novas sensações, o que resultará no reforço da confiança em você. Assim, aumentando as chances de sucesso na continuação da hipnose.

Dedos Magnéticos

  1. “Coloque as mãos desse jeito.” (Juntar as mãos com dedos entrelaçados e esticar o indicador);
  2. “Escolha um ponto e olhe para esse ponto, somente para esse ponto. Se concentre nele.” (Deixe que ele se concentre no dedo);
  3. “Agora imagine que têm dois imãs muito fortes neles, dois imãs muito poderosos que vão se atraindo.” (Espere um pouco e veja se o sujeito está concentrado no ponto);
  4. “Quando eu estalar meus dedos/contar até 3, você vai tentar separar e vai sentir a força do imã nesses dedos.” (Observe a pessoa tentar separar, e quando os dedos começarem a se juntar) “Isso vai ficando cada vez mais forte. Perceba a força do imã empurrando esses dedos!”
  5. “Agora eu vou separar e você vai sentir eles se juntando cada vez mais. E cada vez mais.(Separe levemente com as pontas dos dedos. O movimento tem que ser estilo chicote. Qualquer coisa que fugir disso indica que você deve incentivar mais o imã) E quanto mais eu faço isso, mais forte fica.”
  6. “Tenta separar. Tenta separar e não consegue.”
  7. “Quando eu estalar os dedos os imãs somem e você consegue mover esses dedos normalmente.” *estalo*

Mãos Coladas

Siga os passos falando de uma forma clara e não tente mudar a sua voz pra isso. Fale da forma mais natural possível:

  1. “Coloque as mãos desse jeito.”
    (Braços esticados acima da cabeça com dedos entrelaçados e palmas para a frente);
  2. “E olhe para esse ponto, somente para esse ponto, se concentre nele.” (Estabeleça um ponto no meio da mão do sujeito e toque nele);
  3. “Imagine que essas mãos estão ficando completamente presas, totalmente coladas, como uma peça única.” (Espere um pouco, e identifique se a pessoa está mesmo concentrada no ponto que você apontou);
  4. “Talvez você imagine que há uma cola muito poderosa nessas mãos, ou que essas mãos são os troncos de uma árvore, ou então que são ferro fundido, ou algo que você criou agora. E elas vão ficar totalmente presas.” (Perceba que é bom dar opções para a pessoa criar a sua própria forma de prender as mãos, porque se você se mantém em apenas uma opção pode restringir a imaginação da pessoa em criar analogias ainda mais fortes para ela);
  5. “Em algum momento, eu vou fazer uma contagem de 1 a 5, e essas mãos vão ficando cada vez mais coladas, mais presas. E então, somente no 5, e só no 5, você vai tentar soltar e não vai conseguir. No 5 você tenta mas não consegue.” (Esse passo é o mais importante, muitas pessoas ficam atraídas a tentar antes de você terminar a contagem. Por isso ressalte que a contagem é pra ficar cada vez mais colada. A contagem serve para gerar a expectativa);

Contagem:

  1. “Um, as mãos ficam mais e mais presas.”
  2. “Dois, ainda mais presas, uma peça única.”
  3. “Três! Completamente coladas.”
  4. “Quatro! Estica o braço pra cima e então estique o cotovelo. Quanto mais esticado mais colado fica.” (Nesse momento é bom que você levante um pouco o braço do sujeito e dê pequenos toques no cotovelo por fora);
  5. “Cinco! Tenta! Tenta mas não consegue! Tenta mas não consegue! Quanto mais tentar mais colado fica.” (Essa é a hora de crescer e prestar muita atenção na resposta que a pessoa está te dando. Há a opção das mãos estarem soltando bem devagarzinho e esse é o momento de falar: “Quando eu estalar os dedos você vai conseguir soltar e…*estalo*”. Não deixe que a pessoa solte sozinha!).

 

LEIA:  O que é Coaching e como ele pode ajudar pacientes de terapia?

Os passos descritos acima podem parecer difíceis no começo, por não seguirem um padrão rígido, mas são de fato eficientes. Você verá esse mesmo tipo de indução acontecendo de diversas formas e isso é ótimo! Significa que os hipnólogos estão se reinventando para construir novas metáforas juntamente com o seu sujeito. Alimentar o loop hipnótico deve ser guia para todo bom hipnotista. Posteriormente, assim como no loop, as coisas se fundem e dessa maneira tudo vira um estilo. Você perceberá que na mesma proporção em que usar essa linguagem, ela ficará cada vez mais mais fácil e espontânea.

Existem diversas formas de indução. Colar os pés no chão, a mão em qualquer outra superfície, sumir com a voz, achar a situação muito engraçada, confundir sentidos e alterar realidades. Para aprendê-las, continue estudando e procure cursos com profissionais competentes!

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

PRÓXIMOS

dezembro 2018

01dez9:00 am02(dez 2)8:00 pmHipnose Clínica & Regressãoem São Paulo9:00 am - 8:00 pm (2) Professor:Guilherme Alves

07dez(dez 7)9:00 am09(dez 9)6:00 pmMasterClass com Alberto Dell'Isolaem Porto Alegre9:00 am - 6:00 pm (9)

08dez(dez 8)9:00 am09(dez 9)8:00 pmHipnose Clínica & Regressãono Rio de Janeiro9:00 am - 8:00 pm (9) Professor:Guilherme Alves

15dez(dez 15)9:00 am16(dez 16)8:00 pmHipnose Clínica & Regressãoem Brasília9:00 am - 8:00 pm (16) Professor:Guilherme Alves

últimos

JUNTE-SE A MAIS DE 50.000 PESSOAS

ENTRE PARA NOSSA LISTA

e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Feito com por Let’sRocket

>

Pin It on Pinterest

X