JUNTE-SE A MAIS DE 50.000 PESSOAS

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Cientistas descobrem como a hipnose realmente funciona

Cientistas
Cientistas descobrem como a hipnose realmente funciona
5 (100%) 1 voto

A palavra “hipnose” pode ser associada ao sobrenatural, a truques e vigaristas, mas a hipnose real é uma ferramenta clínica frequentemente utilizada pelos psiquiatras. Agora, cientistas estão começando a ter uma ideia de como ela afeta o cérebro.

Cerca de dois terços das pessoas mostram alguma susceptibilidade à hipnose, e a técnica tem sido usada para tratar dor e ansiedade, entre outras condições.

Um grupo de pesquisadores da Escola de Medicina de Stanford usou imagens cerebrais para ver o que realmente acontecia com as pessoas durante a hipnose. A equipe reuniu 57 pessoas, algumas das quais foram altamente suscetíveis ao transe hipnótico, e outras simplesmente não conseguiram ser hipnotizadas.

Os participantes foram colocados em máquinas de imagens cerebrais, e os pesquisadores aplicaram diversos grupos de instruções – dois grupos foram induzidos à hipnose e aos outros dois foram dadas outras instruções.

As imagens capturaram as regiões do cérebro que estiveram mais ativas e mais adormecidas durante a hipnose. A equipe identificou mudanças em três regiões nos pacientes hipnotizados.

Eles viram diminuição da atividade do cíngulo anterior dorsal, uma região conhecida por ser muito importante para a avaliação de contextos, que ajuda a decidir com o que se preocupar e o que ignorar. Reduzir essa atividade mostra que pessoas hipnotizadas são capazes de suspender a capacidade de julgamento e de mergulhar em algo, sem pensar no que mais eles poderiam ou deveriam estar fazendo.

A segunda mudança apareceu em algumas partes do cérebro que dão às pessoas a capacidade de separar os pensamentos na mente dos sentimentos no corpo.

As pessoas em hipnose “conseguem visualizar algo que os estressa, mas ainda conseguem imaginar seus corpos flutuando, sentindo-se confortáveis”, relata David Spiegel, autor do estudo e professor de psiquiatria de Stanford, em uma entrevista com a CNBC. “Então, quando você pensa sobre algo, você pode controlar melhor como seu corpo responde a esse pensamento”.

LEIA:  Hipnose para emagrecer? Sim, ela funciona!

A terceira região afetada está localizada bem no fundo do cérebro e envolve a autoconsciência. “As pessoas que entram em hipnose tendem a não ser inseguras, e, portanto, conseguem fazer coisas que normalmente não fariam”, disse Spiegel. “Isso tem potencial terapêutico. Você consegue fazer com que as pessoas reorganizem a forma como reagem aos problemas e passem a abordá-los de um ponto de vista diferente”. Parte superior do formulário

 

Parte inferior do formulário

A equipe publicou suas conclusões na quinta-feira, na revista Córtex Cerebral.

Spiegel espera que a investigação impulsione o uso da hipnose como uma técnica clínica.

“Isso mostra que a hipnose não é um truque de salão ou um show de mágica,” disse Spiegel à CNBC. “É um fenômeno neurobiológico.”

Ele acrescenta que a hipnose é subutilizada em cuidados de saúde e que ela pode ser uma alternativa viável ao uso de analgésicos, que provaram ser viciantes para milhões de pessoas.

“Acho que isso ilustra a realidade da hipnose como um fenômeno e mostra que ela não é uma forma de perder o controle, como muita gente receia. É uma forma de ensinar as pessoas a aumentar o controle sobre os seus corpos e cérebros.”

Robert Ferris@RobertoFerris
Tradução: Sabrina Silva
https://www.cnbc.com/2016/07/28/youre-getting-very-curious-scientists-discover-how-hypnosis-actually-works.html

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

Quer receber mais conteúdos brilhantes como esses?

Cadastre-se para receber os nosso conteúdos por email e seja um membro da Comunidade SBH

hipnose institute

Somos o maior instituto de hipnose do Brasil.

Av. João Pinheiro, 274 – Lourdes, Belo Horizonte – MG, 30130-186

Pin It on Pinterest

X